Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
O Céu e o Inferno  |  Segunda Parte - Exemplos Capitulo V     |  01/05/2007
SUICIDAS - 7
FÉLICIEN

...” um homem rico, instruído, poeta de espírito, possuidor de caráter são, obsequioso e ameno, de perfeita honradez. Falsas especulações comprometeram-lhe a fortuna, e, não lhe sendo possível repará-la em razão da idade avançada, cedeu ao desânimo, enforcando-se em dezembro de 1864, no seu quarto de dormir.”(1)
O desânimo é um conjunto de alterações comportamentais, emocionais e de pensamento, que levam ao afastamento do convívio social, perda de interesse nas atividades profissionais, perda do prazer nas relações levando a um sentimento de culpa ou auto depreciação, baixa auto-estima, desesperança.Em resumo é a perda da esperança e esta perda faz toda a diferença. Pois a esperança, do latim sperare, é o sentimento que leva o homem a olhar para o futuro, considerando-o portador de condições melhores que as oferecidas pelo presente. Deste modo a luta pela vida e os sofrimentos são enfrentados como situações passageiras. Sob o ponto de vista teológico, a Esperança é uma virtude sobrenatural, que leva o homem a desejar Deus, como bem supremo (2,3).

A esperança é filha da fé. (4) .Nesse sentido, Paulo de Tarso, fala aos hebreus “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a certeza das coisas que não se vêem” (5) assim como o Espírito Emmanuel (6): "A fé é guardar no coração a certeza iluminada de Deus, com todos os valores da razão tocados pelo perfume do sentimento.” A fé este sentimento inato no indivíduo, pode ser cega ou raciocinada. A fé cega, não examinando nada, aceitando sem controle o falso como verdadeiro, se choca, a cada passo, contra a evidência e a razão; levando a desesperança.Este era o caso de Felicien.

Não era materialista nem ateu, mas um homem de gênio um tanto superficial, ligando pouca importância ao problema da vida de além-túmulo”(1)

Com receio do após a morte, muitos se afastam desta realidade mais íntima, a realidade espiritual. Apegam-se a cada dia, ainda mais, as preocupações terrenas e esquecendo as espirituais. As dificuldades do dia-dia, problemas emocionais, o medo e receio, pavor da morte, entre tantos desafios,levam ao esmorecimento. Ensina Emmanuel em "Justiça Divina" - que: ..."Somos Espíritos doentes em laboriosa restauração" devidos aos débitos contraídos no passado. "Todos somos enfermos pedindo alta" (7).No caso de Felicien , Allan Kardec explica que:

“Nota - Este caso particular de suicídio, posto que realizado em circunstâncias vulgares, apresenta uma feição especial. Ele mostra-nos um Espírito que sucumbiu muitas vezes à provação, que se renova a cada existência e que renovará até que ele tenha forças para resistir.Assim se confirma o fato de não haver proveito no sofrimento, sempre que deixamos de atingir o fim da encarnação, sendo preciso recomeçá-la até que saiamos vitoriosos da campanha.(1) ”

O Espírito de Felicien explicando seu ato comenta: 

``... R. Como morri? Pela morte por mim escolhida, a que mais me agradou, sendo para notar que meditei muito tempo nessa escolha com o intuito de me desembaraçar da vida. Apesar disso, confesso que não ganhei grande coisa: - libertei-me dos cuidados materiais, porém, para encontrá-los mais graves e penosos na condição de Espírito, da qual nem sequer prevejo o termo (1).”
A vida não tem fim, é patrimônio eterno, concedido por Deus a seus filhos, cuja finalidade é o progresso crescente, até a perfeição espiritual. No livro "O Céu e o Inferno", Allan Kardec diz o seguinte : ..."Ninguém tem o direito de dispor de sua vida, porque ela lhe foi concedida visando aos deveres que teria de cumprir na Terra. Por isso, não deve abreviá-la sob pretexto algum. Visto possuir o livre-arbítrio, ninguém pode impedi-lo de fazê-lo, mas terá de sofrer as conseqüências. O suicídio mais severamente punido é o cometido por desespero, no propósito de fugir das misérias da vida. Sendo estas, ao mesmo tempo, provações e expiações, furtar-se a elas, é recuar diante da tarefa que se impôs..."

Quais as conseqüências do suicídio sobre o Espírito ? 

...”As conseqüências do suicídio são muito diversas: não existem penalidades fixas e, em todos os casos, são sempre relativas às causas que o provocaram; mas uma conseqüência da qual o suicida não pode escapar é o desapontamento. Além disso, a sorte não é a mesma para todos: depende das circunstâncias. Alguns expiam sua falta imediatamente; outros, em nova existência, que será pior do que aquela cujo curso interromperam. (8)”.

O Espírito de um suicida voltará a novo corpo terreno em condições muito penosas de sofrimento, agravados pelas resultantes do grande desequilíbrio que o desesperado gesto provocou em seu corpo astral, isto é, no perispirito. E para o seu próprio benefício, terá que repetir o programa terreno que deixou de executar.

No livro "Religião dos Espíritos", Emmanuel, assinala que "os resultados dos suicídios não se circunscrevem aos fenômenos de sofrimento íntimo, porque surgem os desequilíbrios com impositivos de reajuste em existências próximas."(9).

Os Espíritos nos advertem das provações a que são conduzidos os que, tentam fugir da vida. Mas nos advertem também sobre o amor de Deus, que renova a todos oportunidades de reconstrução do equilíbrio. da superação das dificuldades.

...”Entretanto, eu não podia furtar-me de outro modo aos embaraços da minha posição material. Agora, só tenho necessidade de preces; orai, principalmente, para que me veja livre desses hórridos companheiros que aqui estão junto de mim, obsidiando-me com gritos, sorrisos e infernais motejos. Eles chamam-me covarde, e com razão, porque é covardia renunciar à vida. (1)”.

O suicida sofre antes, durante e depois do ato impensado, pois leva a dor como bagagem.

“...É a quarta vez que sucumbo a essa provação, não obstante a formal promessa de não falir... Fatalidade!...Ah! Orai... Que suplício o meu! Quanto sou desgraçado! Orando, fazeis por mim mais que por vós pude fazer quando na Terra; mas a prova, ante a qual fracassei tantas vezes, aí está retraçada, indelével, diante de mim! E preciso tentá-la novamente, em dado tempo... Terei forças? Ah! recomeçar a vida tantas vezes; lutar por tanto tempo para sucumbir aos acontecimentos, é desesperador, mesmo aqui! Eis por que tenho carência de força. Dizem que podemos obtê-la pela prece... Orai por mim, que eu quero orar também.(1).

A prece feita de coração para o suicida lhe cai como um bálsamo restaurador, as vezes como um primeiro contato entre ele e sua própria realidade como relata Divaldo Pereira Franco no livro "O Semeador de Estrelas" . ... ele nos diz sobre o hábito de escrever em um caderninho o nome de suicidas para rezar por eles. Certa feita, ele (Divaldo), muito amargurado, muito triste por um problema grave, começou a chorar e eis que um espírito lhe aparece consolando-o, e se apresentou como o suicida do trem, que ele (Divaldo), orava pedindo intercessão. E o espírito assim falou:

Há muitos anos eu me joguei embaixo das rodas de um trem. E não há como definir sensação eterna da tragédia. Eu ouvia o trem apitar, via-o crescer ao meu encontro e sentia-lhe as rodas me triturando, sem terminar nunca e sem nunca morrer. Quando acabava de passar, quando eu ia respirar, escutava o apito e começava tudo outra vez, eternamente. Até que um dia escutei alguém chamar pelo meu nome. Fê-lo com tanto amor, que aquilo me aliviou por um segundo, pois o sofrimento logo voltou. Mais tarde, novamente, ouvi alguém chamar por mim. Passei a ter interregnos em que alguém me chamava, eu conseguia respirar, para agüentar aquele morrer que nunca morria e eu não sei lhe dizer o tempo que passou. Transcorreu muito tempo mesmo, até o momento em que deixei de ouvir o apito do trem, para escutar a pessoa que me chamava. Dei-me conta, então, que a morte não me matara e que alguém pedia a Deus por mim. Lembrei-me de Deus, de minha mãe, que já havia morrido. Comecei a refletir que eu não tinha”. o”. direito de ter feito aquilo, passei a ouvir alguém dizendo: "Ele não fez por mal. Ele não quis matar-se". Até que um dia esta força foi tão grande que me atraiu; aí eu vi você nesta janela, chamando por mim." (10)

As preces e o respeito são bálsamos para o seu sofrimento. Jesus nos afirma a extensão do beneficio da prece, ( 11 )....“Não são os que gozam de saúde que precisam de médico”. E reafirma “... a prece tem sobre eles uma ação mais direta, reanima-os, incute-lhes o desejo de se elevar pelo arrependimento e pela reparação...”. (12 )

“ ... Oh! obrigado! Oh! obrigado por tão boas exortações. Delas tenho tanto maior necessidade, quanto sou mais desgraçado do que demonstrava. Vou aproveitá-las, garanto, no preparo da próxima encarnação, durante a qual farei todo o possível por não sucumbir. Já me custa suportar o meio ignóbil do meu exílio. Félicien.(1)
A prece é a maior caridade que pode ser feita em favor daqueles que sofreram tal desatino É o que nos diz o amoroso mentor Emmanuel, na obra "Escrínio de Luz”, estimulando-nos, encorajando-nos a superar provas, que são "material educativo do templo em que nos asilamos prece eleva o Espírito, liberta-o momentaneamente e o coloca em contato com as fontes energéticas do Bem,se revela no concurso desvelado dos bons Espíritos, que auxiliarão o soerguimento do culpado para a devida reabilitação, infundindo-lhe ânimo e esperança e cercando-o de toda a caridade possível.(13)

Laurelucia Orive Lunardi
Maio / 2007
 
Bibliografia:
1. Kardec ,Allan, “ Céu e Inferno” CapituloV : Suicidas . 
2. Ávila, F. B. de S.J. Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo. Rio de Janeiro, M.E.C., 1967. 
3. Viktor E. Frankl. Sede de Sentido. Ed. Quadrante 
4. Kardec ,Allan, O Evangelho Segundo o Espiritismo. cap. XIX. 
5. Bíblia Sagrada, Hebreus, 6, 15 Sociedade Bíblica do Brasil. 
6. Xavier, F. C. pelo Espírito Emmanuel , Fonte Viva
7. Xavier F. C - Emmanuel - Justiça Divina - - Doenças da Alma pág. 114 
8. Kardec ,Allan, O Livros dos Espíritos, questão 957. 
9. Xavier, F. C. pelo Espírito Emmanuel Religião dos Espíritos 
10. Suely Caldas Schubert ,O Semeador de Estrelas. 
11. Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo capítulo XXVIII 
12. Kardec, Allan - O Evangelho Segundo o Espiritismo capítulo XXVII, item 18 
13. Xavier, F. C. pelo Espírito Emmanuel , Escrínio de Luz.
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett