Amanhã

Durante séculos com muita força e hoje ainda em muitos segmentos, acreditou-se ou acredita-se que a vida depois destes tempos, desdobra-se em regiões de punição, beatitudes ou são intermediárias em locais temporários, dos quais se sairia rumando para a glória ou tormentos eternos.

            Nessa perspectiva, o amanhã se apresenta como alternativa real, válida para decidir o que quero construir, face a um final que penso será o melhor.

            Como tudo é hipótese, nada tem ou recebe comprovação, não se atormenta o homem se haverá de se consumir em chamas ou apodrecer em repouso enfadonho.

            “O amanhã é que será um lindo dia”, ... música de Guilherme Arantes, redundante no seu ponto de vista lógico.

            A frase referencia o dia de hoje marcado com carga negativa, sofrimento no qual anseio por um amanhã diferente, oposto ao hoje.

            Parece que esse sentido continua 

            “...Da mais louca alegria

             Que se possa imaginar”...

            Nessa contínua projeção relegam-se realizações: hoje sou jovem; tudo me é devido. Quando idoso, amanhã, portanto, estabelecerei programa espiritual de aprimoramento íntimo porque se houver aquele futuro ainda assim, garanto-me.

            Da mesma forma transfiro o desejo de ser bom, de ajudar, o instante de reparar o mal, a intransigência de opinião, o compromisso com o bem...

            Esqueço–me ou desconheço que realidade, ontem, hoje e amanhã são apenas detalhes de um tempo em cujo bojo avançamos no tempo, na vida.

            As ações de cada momento são contínuas aberturas para possibilidades do porvir que se sucedem em borbotões de surpresas.

            Nessas reflexões, não é no amanhã, mas agora é que brilham oportunidades.

            Depois... o instante passou e a grande oportunidade, o momento perdeu-se....

            Quando o homem conhece que o corpo tomba, mas que o Espírito segue retratando o que fez de si, por decorrência imantado aos frutos produzidos ou não, a sobrevivência confere efeito que enfaticamente apresenta a causa.

            A vida passa a ter sentido racional, diferente da anterior que rola no tempo no aguardo do que virá. Esta, por existir como realidade de construção ininterrupta oferece oportunidade de construções, mudanças, estabelecimento de metas, realização de sonhos.

            Depois do hoje, depois do agora, perde-se a grande oportunidade de edificar e principalmente de se reconstruir com Jesus.

                                                                                                              Leda Marques Bighetti – Setembro/2017

______________________________________________________________________________________________________________
http://www.cebatuira.org.br/
2024/7/18 | 16:40:53

IMPRIMIR