Rosas
Oh! Par de rosas formosas
Que eu vejo perto de mim;
Quem voz fez assim tão cheirosas,
Fez muitas flores assim.

A natureza enfeitando,
Sois úteis trabalhadoras,
Pois conservais meditando
As almas mais sonhadoras.

A vossa vida ligeira
De ostentação resumida,
È uma lição verdadeira,
Do que há no mundo e na vida.

Na sua forma exterior,
Tudo no mundo é fugaz,
Tudo tem vida de flor
Que o tempo vem e desfaz.

Da vossa curta experiência,
Do curto brilho em que estais,
Floresce a mais pura essência,
Que não se extingue jamais.

É vosso aroma e perfume,
Qual delicado troféu,
Que vossas vidas resumem
Em outras flores do céu.

Assim as coisas do mundo,
Não são o luxo, a vaidade;
Sim o que vive profundo,
Na vida da eternidade.

Também na grande passagem,
Da vida humana agitada,
Não há apenas miragem
Temendo a sombra e o nada.

Dentro do homem palpita,
Um outro homem mais puro.
Ser que bate e se agita,
Para escapar do monturo.

Oh! Rosas, rosas de amores,
Senhoras dos versos meus,
No fundo tudo são flores,
A caminhar para Deus.
______________________________________________________________________________________________________________
http://www.cebatuira.org.br/
2018/7/18 | 21:38:40

IMPRIMIR