Desilusão
Quem sou eu? Quem sou eu? No abismo escuro
Do meu atribulado pensamento
Sinto ainda as áscuas do pavor violento
Em que andei como nau sem palinuro!

E... Ouço uma voz: "Tu és verme obscuro".
Vitimado no grande desalento,
Que procurou a mágoa e o sofrimento
Sem caridade, o amor sagrado e puro "".

Ó promessas do "nada" inexistente!...
A morte abriu-me as portas do presente
Amargo e interminável pela dor;

Infeliz do meu ser fraco e abatido,
Pois o anseio de nada, paz e olvido,
Foi apenas um sonho enganador!
______________________________________________________________________________________________________________
http://www.cebatuira.org.br/
2018/7/18 | 22:52:44

IMPRIMIR