Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
Evangelização Infantil     |  01/04/2009
TEATRO: TEMA A CARIDADE
TEMA:

CARIDADE (adaptação da lição numero 20, “A caridade desconhecida”, do livro Jesus no Lar)

OBJETIVO:

Levar as pessoas a compreender que caridade não consiste só nas coisas materiais que distribuímos, mas, também, no amor, no tempo, no carinho que dispensamos aos outros.

PERSONAGENS:

Mãe Rose
Filhos
Marcela - 12 anos,
Mariana - l1 anos,
Marina - 9 anos
Tia Lúcia
Filhos
Heloisa - 9 anos,
Samuel - l0 anos
Avô: Sr. Alfredo
Pai: Paulo
Amigos
Daniel
Diego
Laura
Arlete

CENÁRIO:

Uma sala de jantar

CENA I
Mãe entra cantando, coloca a mesa para o café e chama pelo pai (que esta sentado em uma cadeira lendo o jornal) e pelas filhas (que estão no quarto)
Mãe — Papai, o café esta na mesa! (e chegando perto da porta do quarto, grita) — Meninas venham tomar café!
Meninas — estamos indo mãe!
Mãe, filhas e avô sentam-se, neste instante batem à porta. Marcela atende:
— Oi tia Lucia! 
— Oi querida, tudo bem?
— Tudo.
— Oi, Helô! Oi, Samuca!
Lucia cumprimenta o pai, a irmã, Mariana e Marina. 
Lucia — Bom dia papai, como esta?
Sr. Alfredo — Bem filha!
Lucia — E você minha irmã, tudo bem?
Rose — Tudo, graças a Deus! E olhando para as crianças. — E o meu beijo?
Heloisa e Samiel beijam a tia e o avô e cumprimentam as primas.
Rose — Vocês chegaram na hora, acabei de passar o café.Crianças... tem aquela bolachinha que vocês adoram! (e dirigindo-se às filhas):
Rose — Mariana pegue uma xícara para sua tia e para seus primos, e Marina, apanha a lata de bolachas, por favor! 
(Sentam-se, e Rose dirigindo-se novamente a irmã:
Rose — Lucia, esta tudo bem mesmo? Estou estranhado você por aqui assim tão cedo!
Lucia — Na verdade não estou bem! Não dormi nada esta noite. Precisava conversar com alguém!
Rose — Mas o que aconteceu minha irmã?
Lucia — Ah, Rose, o Julio e eu, brigamos outra vez! (levantado-se e andando de um lado para o outro) Não agüento mais, ele esta sempre nervoso, parece que é o único que tem problemas, qualquer coisa que eu falo ele já vem com duas pedras na mão! Ah, eu estou cansada!
Rose — Lucia, seu marido esta passando por um momento difícil, procure entender.
Lucia — Ah, Rose, mas o fato dele estar num momento difícil não lhe dá o direito de me ofender, de me tratar com grosseria.
Rose — Sim, concordo com você, mas devemos entender que ele esta transtornado, desequilibrado e se você não procurar permanecer calma e ajudá-lo, seu lar se transformará num campo de batalha.
Marcela — Ah eu não entendo você, mamãe! A tia esta magoada com o tio e a senhora. o defende? 
Mariana e Marina — É, só falta dizer que o tio é bom!
Heloisa e Samuel — É mesmo!
Rose — Não queridos, bom nenhum de nós é, e nem Jesus aceitou ser chamado de Bom. Mas todos nós temos qualidades e o tio não é diferente.
Sr. Alfredo — A sua mãe tem razão meninas! E ela não o está defendendo, só está procurando ser justa. E depois crianças, procurem aprender bem o que vou falar: “Não é caridoso falar de alguém que está ausente e não pode ao menos defender-se”.
Sr.Alfredo para Lucia: — Minha filha, sua irmã tem razão, procure ter mais paciência, compreensão, não se esqueça da prece e tenha certeza de que tudo isto vai passar. Confie! 
Rose levanta-se, abraça a irmã e diz:
— E quando se sentir cansada, triste, faça como hoje, venha tomar um café conosco, conversar, espairecer. Estaremos sempre aqui, não é papai?
Marcela levanta-se, e abraçando o avo e a mãe diz:
— Esse é meu avô, essa é minha mãe! 
Bom gente, vocês nos dão licença porque está na nossa hora. (chama pelas irmãs, apanham as mochilas e despedem-se do avô e da mãe enquanto a tia apanha sua bolsa, levanta-se e diz):
Tia Lucia — Eu também preciso ir, estou melhor graças ao carinho de vocês. (despede-se do pai, chama pelos filhos, enquanto Rose levanta-se também e diz):
Rose — Eu vou aproveitar a companhia de vocês e ir até o mercado.
(as três saem, Sr.Alfredo senta-se numa cadeira e lê o jornal)

CENA II

Mãe está colocando o almoço na mesa quando chega o marido.
Rose — Paulo espere dois minutinhos mais, a batata está quase pronta! - Ah, você lembrou-se de passar na farmácia?
Paulo — Ora, não sei porque você espera que eu faça alguma coisa para você, no meu horário de almoço! Já saio atrasado da firma, pego um transito horrível e ainda chego aqui o almoço não está pronto!
Rose — Nossa,calma!
Paulo — Calma, calma... eu não estou nervoso! E quer saber? Perdi a fome! (vai saindo e falando) — é só cobrança, é só perturbação!
Rose para o pai — o Sr. entendeu alguma coisa? Sabe pai, às vezes penso que se eu fosse trabalhar também, o Paulo ficaria menos sobrecarregado, menos nervoso. Ele tem chegado muito tenso em casa.
Sr.Alfredo — Filha, você abraçou o lar. Faça seu trabalho muito bem feito, com boa vontade.
Ajude seu marido na educação moral da sua família. E o importante é você não se ofender, não revidar quando ele se mostrar agressivo. Lembre-se sempre de que, quem agride não esta bem, esta doente e precisa da nossa compaixão. Continue recebendo-o com carinho, com bom humor, tranqüilizando-o com relação aos assuntos da casa, procurando ouvir em silêncio suas queixas, incentivando-o a manter os pensamentos calmos, como você tem feito até agora, creia, é a melhor ajuda que você pode dar a ele. 
Rose — Ah papai, que seria de mim sem o senhor!
Neste instante as crianças entram esbaforidas da escola.
Marcela - Mãe, você não sabe o “bafo” que aconteceu na escola hoje!
Mariana e Marina — É mesmo, mamãe!
As três cumprimentam o avô:
Oi,vovô! (da um beijo no avô)
Rose — O que aconteceu, filha?
— Um garoto fez xixi nas calças na aula de ciências, mas acho que ninguém viu, só eu. De repente, uma menina que estava pondo água em um aquário, jogou toda a água em cima dele, dizendo que tinha tropeçado. O menino nem achou ruim! Por que será que ela fez isso?
Avô — Marcela, acho que não foi só você que viu o xixi do menino. Você não percebeu a intenção da colega?
Marcela — Não vovô!
Avô — Ela teve um gesto muito bonito. Fazendo isso, ela evitou que o menino passasse por um vexame maior ainda, caso a classe inteira visse. Como está muito em falta, hoje em dia, a solidariedade entre as pessoas, nós não entendemos certas coisas. Jogando a água, ele ficaria todo molhado e ninguém perceberia que ele tinha feito xixi. Isso, crianças, foi um ato de caridade da parte da menina. Com certeza, ela sabia como é difícil passar por momentos assim e quis ajudar o colega, entendeu?
Mariana — Puxa, vovô, eu não pensaria em fazer isso!
Avô — É, minhas netas, existem várias maneiras de praticar a caridade.
As três meninas — (abraçando carinhosamente o avô) Ei vovô, só você mesmo! 
Rose — Meninas, vocês poderiam fazer companhia para seu avô, enquanto vou ao Banco?
As três — Claro mamãe, pode ir!

CENA III

Rose encontra-se com uma amiga no caminho.
Rose — Olá, Arlete, que prazer revê-la! Como vai?
Arlete — Oi Rose, que bom encontrar uma amiga, não estou me sentindo nada bem, acabei de receber uma notícia tão desagradável!
Rose — Posso te ajudar em alguma coisa?
Arlete — Sim, eu gostaria muito de conversar, se não for te atrapalhar.
Rose — De jeito nenhum, podemos conversar.
(Coloca-se uma musica de fundo, enquanto as duas gesticulam, movimentam os lábios, como se conversassem, alguém passa por umas duas vezes, mostrando um relógio como se a conversa demorasse horas). Desliga-se a musica e as duas se despedem:
Arlete — Rose, você não imagina como foi bom essa nossa conversa. Ajudou-me muito! Obrigada. abraça a amiga).
Rose — Não tem por que agradecer foi um prazer te reencontrar.
(Rose volta para casa)
Sr.Alfredo — Filha, você demorou, eu já estava preocupado!
Rose — Pois é, papai, encontrei a Arlete aquela minha amiga de escola, o Sr. lembra-se dela?
Sr.Alfredo — Sim, me lembro!
Rose — O Sr. acredita que eu nem cheguei ir ao Banco? Ela estava tão desesperada com uma porção de problemas que eu não tive como não ouvi-la e tentar ajudá-la de alguma forma.
Marcela — Já sei, o que a Sra. tinha que fazer no Banco, ficou para amanha!
Rose — É minha filha, o problema da Arlete era mais urgente que o meu.
As três meninas — Ei, mamãe, só a senhora mesmo! 
Nesse momento batem à porta.

CENA IV

Rose atende - Olá, meninas, tudo bem? Entrem! 
— Olá, dona Rose, tudo bem e a Sra.? A Marcela está?
Rose — Marcela! O Daniel, o Diego e a Laura estão aqui!
Marcela — Oi gente, vieram buscar o caderno? E pedindo para a irmã: - Marina, pega aquele caderno de capa vermelha, que está em cima da cama, por favor!
Enquanto Marina burca o caderno, elas conversam: 
Rose — Crianças, fiquem para lanchar com a gente!
Diego — Obrigada Dona Rose, mas hoje temos que chegar logo em casa! Vamos embrulhar os presentes de natal que iremos entregar na creche.
Mariana — Mamãe, você viu que bacana? A família da Laura, do Daniel e do Diego junta dinheiro o ano todo para levarem presentes de Natal para as crianças que ficam na creche.
Rose — É mesmo, que coisa boa!
Daniel — É bom mesmo, a gente se sente super bem! Nessa época do ano nossa casa fica em festa!
Marcela — Mamãe, nós poderíamos ir ajudar a embrulhar os presentes?
Laura — Sim, dona Rose, seria ótimo as meninas irem conosco.
Rose — Está bem! (despedem-se e as crianças saem)
Rose senta-se pensativa, com o olhar distante.
O Sr. Alfredo levanta-se e aproxima-se e pergunta:
— Filha, o que foi, você parece preocupada!
Rose — Não, fiquei pensando no trabalho bonito que muitas pessoas fazem na época do Natal.
Sr.Alfredo — E isso é motivo para se entristecer?
Rose — Fiquei pensando em mim, o que tenho feito de bom para os outros?
Sr.Alfredo — Ora, você faz muitas coisas boas sim, e não é só em época de Natal! Você mantêm a harmonia do lar, compreende e ampara seu esposo, estimula sua filha ao bem, a responsabilidade, cuida de mim com carinho!
Rose — Não papai, eu quero dizer sobre fazer algo além do lar.
Sr.Alfredo — Ora, e quem é que vive conversando, refletindo com sua irmã, com as amigas, com as vizinhas?
Sabe minha filha, nós nos enganamos, achando que a caridade consiste só nas coisas materiais que distribuímos. A caridade se expressa na alegria e no bom animo com que procuramos contagiar os tristes e aflitos, na paz, felicidade e confiança que irradiamos no lar, no trabalho, na escola e na sociedade em que vivemos. 
Você ouviu as garotas dizerem que a casa delas fica em festa na época do Natal. È importante distribuir o pão e o agasalho. Mas você pode fazer mais do que isto! Continue amparando, esclarecendo, confortando o próximo, dando do seu tempo, do seu amor, transformando todos os dias do ano em Natal e você estará no caminho da Caridade desconhecida.
 
Maria Sueli Bertoldi Pereira
Abril / 2009
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett