Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
Evangelização Infantil     |  01/04/2008
PERTENÇO A UMA FAMÍLIA (LEI DA SOCIEDADE)
Data:                      24/02/2008
Turma:                7 e 8 anos
Evangelizadores:       Rosângela, Lucas e Paulo
Tema:                 Pertenço a uma família (Lei da Sociedade)
Objetivo:                 Levar o evangelizando a desenvolver o sentimento de respeito e amor à sua família e cada um de seus componentes.
 
Prece inicial:

Incentivação Inicial: levar algumas figuras de grupos de bichos (animais e aves) e mostrando para as crianças, começar a desenvolver as seguintes idéias: 
— por que estes animais estão juntos? Ouvir as respostas, sabendo que os principais objetivos do grupo são a sobrevivência – juntos somos mais fortes - deste modo eles podem enfrentar adversários, e sobreviverem. 
— por exemplo os lobos se unem, e juntos é mais fácil deles caçarem. 
— os elefantes vivem em grandes grupos, e além de enfrentarem os caçadores (leão, tigre), eles buscam alimentos e protegem os filhotes do grupo.
— muitas aves se unem para, fortalecidas, enfrentarem uma “viagem” muito difícil, ou seja, elas migram fugindo do frio, e procurando ambientes mais quentes para reproduzir. 
— pinguins se unem e permanecem praticamente “colados” um no outro, de modo a enfrentarem o rigoroso inverno, pois sozinhos morreriam. 
— até alguns insetos se unem, para construir a sua casa e cuidarem das crias: abelhas, formigas, cupins,

Desenvolvimento: Mas, e os serem humanos (homens e mulheres), por que eles se unem em grupos? (no passado, para se defenderem de outros grupos de homens, e defenderem o território onde moravam e os filhos). Também se unem para desenvolverem atividades como caça, pesca e agricultura. Depois, conforme o ser humano foi se desenvolvendo, as finalidades foram aprimorando: para crescimento do grupo como um todo, para estudos, para enriquecimento, ...

Dentro de um grupo de homens existem grupos menores, que são as famílias. E para vocês, o que significa uma família? 
Vocês pertencem a uma família? Este pequeno grupo precisa de ajuda, ou seja, da participação de cada um de seus elementos. O que significa participar de uma família?
(Participar significa ser atuante, estar em família ajudando nas coisas da casa, ajudando as pessoas como o pai, a mãe, os irmãos...)
Vamos conhecer como cada um participa da família:
— como o papai participa da família? É importante a participação do papai?
— e a mamãe, como ela participa? É importante a participação da mamãe? 
— e nós, como podemos participar e ajudar?

Devemos discutir os casos “especiais”:
— e a família que não tem o papai? (ou quando ele mora em outra casa?)
— e a família que não tem a mamãe? (ou quando ela mora em outra casa?)

Fixação / avaliação: contar a estória “Tuquinha” (Coleção Evangelização Infantil – Vol. IIII / pág.72), abaixo:

... Numa casa muito simples, de apenas quarto, sala e cozinha, moravam Dona Ana e “Seu” Flávio, com quatro filhos. O mais velho era o Tuquinha, que já estava com 9 anos de idade.
Seu Flávio era doente, e não podia levantar da cama, porque suas fracas pernas não agüentavam o peso do corpo. Por outro lado, era Dona Ana que, como lavadeira, mantinha a casa e, assim, podia comprar os remédios, a comida e os agasalhos para a família.
Tuquinha era quem mais ajudava a mãe. Tomava conta dos irmãos menores, fazia as entregas de roupa para as freguesas e, às vezes, com a sua caixa de engraxate, ficava na esquina do armazém, limpando os sapatos das pessoas e ganhando, com isso, algum dinheirinho.
Ele era esforçado, trabalhava com alegria e estava sempre sorrindo, mostrando os dentes brancos e cantando as canções que aprendia na escola e com a sua mãe.
Era ele que, à tardinha, dava banho nos irmãos menorzinhos e dizia:
— Vamos, pixotada, está na hora de tirar a sujeira.
Tuquinha deixava-os limpinhos e trocados. E isso contentava muito Dona Ana. 
Quando um irmãozinho ficava doente era ele que marcava direitinho as horas de dar remédio, media a temperatura, e fazia tudo tão cuidadosamente que parecia um doutorzinho.
Esse garoto demonstrava sentir muito amor pela família e também pelos vizinhos. Se algum deles pedia um favor, como ir a venda fazer compras ou tomar conta das crianças, ele estava sempre pronto. Mesmo fazendo tudo isso, o Tuquinha achava tempo para tudo: brincar, trabalhar e estudar.
A sua família às vezes passava dificuldades, quando o dinheiro de Dona Ana era gasto em remédios para o Seu Flávio. A boa mulher chegava a ficar sem comer, deixando para os seus quatro filhos todo o alimento que lhe cabia.
O tempo foi passando e aproximava-se a época de Natal, quando as lojas ficam enfeitadas e quase todas as crianças esperam um presente ou uma surpresa.
A casa de Tuquinha era sempre a mesma coisa: entregar roupa, cuidar dos irmãos... Dona Ana não podia comprar nem presentes nem doces, bolos ou enfeites para os filhos.
Na véspera do Natal, Dona Ana chamou o filho mais velho e disse:
— Tuquinha, por favor, vá entregar estas roupas à Dona Lili e veja se ela pode mandar o dinheiro.
— Está bem mamãe, já estou indo...
Quando chegou à casa de Dona Lili, bateu a porta e logo foi atendido. 
— Dona Lili, vim trazer a roupa que a senhora mandou lavar.
— Entre Tuquinha, venha até a sala.
Tuquinha entrou, pensando. “Não falarei nada do dinheiro; se ela me der, eu aceito, mas não vou pedir”.
Ao chegar à sala, viu uma mesa enorme, toda enfeitada com pratos de doces, salgadinhos e até bolas coloridas!
— Mas, que beleza! Nunca vi uma coisa tão bonita!...
— Pegue, Tuquinha, sirva-se do que quiser, falou Dona Lili.
— Não, muito obrigado!...
Dona Lili insistiu para que ele se servisse. Mas o pensamento do menino estava muito longe: nos pais e nos irmãozinhos, e que somente ele iria comer.
Tuquinha preferia ficar sem experimentar um doce sequer a comer sem levar nada para os seus.
Enquanto esperava Dona Lili voltar à sala, ele pensou:
— Será que ela se lembrará de dar o dinheiro da roupa?
Quando Dona Lili apareceu, trazia nas mãos um pacote grande , e ainda o dinheiro.
Tuca, leva este pacote para casa...
— “Como pesa”, pensou o garoto, - “O que será que tem lá dentro?” 
Dizendo “muito obrigado” e desejando Feliz Natal a Dona Lili, Tuquinha tomou o caminho de volta. Queria correr para chegar mais depressa, porém não conseguiu, por causa do peso do pacote.
Ao chegar a casa, a surpresa foi geral e a alegria da família foi enorme. Foi uma festa!Todos cantaram e comeram o lindo e gostoso bolo enfeitado que Dona Lili dera.

conversar com eles sobre a estória:
— um detalhe muito importante. Onde morava a família de Tuquinha? 
— o pai de Tuquinha tinha um problema que não o deixava trabalhar. Qual seria/
— mas como a família ganhava o dinheiro?
— quais as atividades que o Tuquinha fazia para ajudar a família?
— e como era o Natal na casa da família de Tuquinha?
— o que continha a caixa que eles – a família de Tuquinha – ganharam?

Avaliar/discutir com eles o conteúdo da estória:
a) A casa de Tuquinha indica que eles eram uma família bem pobre. Analisando este caso, podemos dizer que uma família é feliz só quando possui dinheiro? (discutir se só com dinheiro uma família pode ser feliz)
b) O pai de Tuquinha era doente e não podia trabalhar. O que significa a atitude da Dona Ana de lavar roupa para outras famílias? (espírito de colaboração, cooperação) 
c) A família de Tuquinha tinha poucos recursos financeiros. Que atitudes poderiam ser tomadas para cada um dos familiares para ajudar a família? (colaboração, economia,) 
d) Hoje, normalmente vamos a uma festa de natal com muitas comidas, doces, bebidas e enfeites. Se fôssemos a uma festa de natal com poucas comidas, você ficaria triste? Como você poderia ajudar esta festa? (a alegria deve vir de dentro das pessoas, e não devemos se preocupar se na festa tem muita ou pouca comida. Aliás, estaremos ajudando as pessoas e fazendo o bem sendo alegres, com espírito de colaboração, ...)

Atividade: se sobrar tempo, pode ser feita uma atividade com desenho, onde a proposta é cada um desenhar a sua família.

Prece de encerramento:

Elisabeth Maciel
Evangelizadora

Beatriz Rezende
Coordenadora do Depto. De Evangelização 

Abril / 2008
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett