Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Relacionamento Imprimir Indique voltar
O Livro dos Médiuns  |  Segunda Parte Das Manifestações Espíritas   |  Capitulo III   |  01/07/2003
MANIFESTAÇÕES INTELIGENTES
Contém o ensino especial dos Espíritos sobre a teoria de todos os gêneros de manifestações, os meios de comunicação com o Mundo Invisível, o desenvolvimento na mediunidade, as dificuldades e os escolhos que se podem encontrar na prática do Espiritismo.

SEGUNDA PARTE

DAS MANIFESTAÇÕES ESPIRITAS

CAPITULO III

MANIFESTAÇÕES INTELIGENTES

Estudo 24: itens 65 a 71

Referindo-se estudo do capítulo anterior ( estudo 23 de Junho / 2003 ), afirma Allan Kardec que nada certamente revela a intervenção de uma potência oculta e os efeitos analisados poderiam ser perfeitamente explicados pela ação de uma corrente magnética, ou elétrica, ou, ainda, pela ação de um fluido qualquer. Tal foi, precisamente, a primeira solução dada a tais fenômenos e que, com razão, podia passar por muito lógica. Teria, não há dúvida, prevalecido, se outros fatos não viessem demonstrar a sua insuficiência. Estes fatos são as provas de inteligência que eles deram. Ora, como todo efeito inteligente deve ter uma causa inteligente, tornou-se evidente que, mesmo admitindo-se a ação da eletricidade ou de qualquer outro fluido, havia a presença de outra causa. Qual seria? Qual era essa inteligência? Foi o que o prosseguimento das observações revelou.

Para que uma manifestação seja inteligente, não precisa ser convincente, espiritual ou sábia. Basta ser um ato livre e voluntário, exprimindo uma intenção ou correspondendo a um pensamento. Quando se vê um papagaio de papel agitar-se, sabemos que obedece ao impulso do vento; mas se reconhecemos nos seus movimentos sinais intencionais, se gira para a direita ou para a esquerda, rápida ou lentamente, obedecendo ordens, tem-se de admitir, não que o papagaio tenha inteligência, mas que obedece a uma inteligência. Foi o que aconteceu com a mesa.

Viu-se, então, a mesa mover-se, levantar-se, dar pancadas, sob a influência de um ou de muitos médiuns. O primeiro efeito inteligente que se observou foi precisamente o de obediência às ordens dadas. Assim é que, sem mudar de lugar, a mesa se erguia sobre os pés que lhes eram indicados. Depois, ao abaixar-se, dava um determinado número de pancadas respondendo a uma pergunta. De outras vezes, sem o contato de ninguém, passeava sozinha pelo aposento, avançando para a direita ou esquerda, para frente ou para trás, executando movimentos diversos que os assistentes ordenavam. É claro que foram afastadas as suspeitas de fraude, aceitando-se a perfeita lealdade dos assistentes. 

Por meio de pancadas e, sobretudo, por meio dos estalidos, os quais foram tratados no estudo anterior (número 23), obteve-se efeitos ainda mais inteligentes. Era, como bem se compreende, um vasto campo a ser explorado. Raciocinou-se que, se naquilo havia uma inteligência oculta, forçosamente lhe seria possível responder a perguntas e ela de fato respondeu, por um sim, por um não, dando o número de pancadas convencionado. Por serem muito insignificantes essas respostas, surgiu a idéia de fazer-se que a mesa indicasse as letras do alfabeto e compusesse assim palavras e frases.
Estes fatos, repetidos à vontade por milhares de pessoas e em todos os países, não podiam deixar dúvida sobre a natureza inteligente das manifestações. Foi então que apareceu um novo sistema, segundo o qual essa inteligência seria a do médium, do interrogante, ou mesmo dos assistentes. A dificuldade estava em explicar como semelhante inteligência podia refletir-se na mesa e se expressar por pancadas. Averiguado que estas não eram dadas pelo médium, deduziu-se que, então, o eram pelo pensamento. Mas, o pensamento a dar pancadas constituía fenômeno ainda mais prodigioso do que todos os que haviam sido observados. 

A experiência não tardou a demonstrar que essa opinião era inadmissível. Com efeito, as respostas se mostravam muito freqüentemente em completa oposição ao pensamento dos assistentes, fora do alcance intelectual do médium e até mesmo em idiomas ignorados por ele ou relatando fatos desconhecidos de todos. São tão numerosos os exemplos, que é quase impossível alguém haver se ocupado de comunicações espíritas, sem os ter muitas vezes testemunhado. 
Allan Kardec apresentou o seguinte caso relatado por uma testemunha: Num navio da marinha imperial francesa, nos mares da China, toda a equipagem, desde os marinheiros até o comando, ocupava-se das mesas falantes. Resolveram evocar o Espírito de um tenente do mesmo navio, que morrera havia dois anos. Ele atendeu, e depois de várias comunicações que espantaram a todos, disse o seguinte, por meio de pancadas: "Peço-vos insistentemente que paguem ao capitão a soma de (indicou a quantia), que lhe devo e que lamento não ter podido pagar-lhe antes de morrer." Ninguém sabia do fato. O próprio capitão esquecera essa dívida, aliás, mínima. Mas, procurando nas suas contas, encontrou um registro da dívida do tenente, na importância indicada. Perguntou-se: do pensamento de quem essa indicação podia ter sido refletida?
Ao traduzir O Livro dos Médiuns, Herculano Pires recorda que o problema do inconsciente deu margem no passado e continua a dá-la ainda hoje, a numerosas hipóteses fantásticas sobre a possibilidade de serem telepáticas essas transmissões. Mas, os fatos são mais complicados do que o citado acima e essas hipóteses não abrangem a todos. As pesquisas parapsicológicas, longe de beneficiarem essas hipóteses fantásticas, vêm confirmando progressivamente a explicação espírita.

Apesar do aperfeiçoamento da arte de comunicação pelo sistema alfabético de pancadas, o meio continuava muito moroso. Algumas, entretanto, trouxeram interessantes revelações sobre o Mundo dos Espíritos. Desse meio surgiram outros e assim se chegou ao de comunicações escritas. 
As primeiras comunicações desse gênero foram obtidas adaptando-se um lápis ao pé de uma mesa leve, colocada sobre uma folha de papel. Movimentada pela influência de um médium, a mesa começou traçando alguns caracteres, depois escreveu palavras e frases. Simplificou-se gradualmente o processo, pelo emprego de mesinhas do tamanho de uma mão, construídas expressamente para isso; em seguida, pelo emprego de cestinha, de caixas de papelão e por fim de simples pranchetas. 

A escrita era tão fluente, rápida e fácil como a manual, mas reconheceu-se mais tarde que todos esses objetos serviam apenas de apêndices da mão, verdadeiros porta-lápis que podiam ser dispensados. De fato, a própria mão do médium, impulsionada de maneira involuntária, escrevia sob a influência do espírito sem o concurso da vontade ou do pensamento daquele. Desde então, as comunicações entre os dois planos não têm mais dificuldades do que a correspondência habitual entre os encarnados.

Concluindo, compreendemos que esse desenvolvimento gradual do processo da psicografia representa um dos episódios mais significativos da Ciência Espírita, mostrando a naturalidade do fenômeno. A prancheta, como se vê, não é mais do que uma miniatura da mesa girante, conservando-se assim, a forma do instrumento primitivo através da evolução para a escrita manual. O aparecimento da cesta e da caixa de papelão assinala o momento de transição dos meios materiais para o meio psíquico.

Tereza Cristina D'Alessandro
Julho / 2003
 
Bibliografia:
KARDEC, Allan - O Livro dos Médiuns: 2.ed. São Paulo: FEESP, 1989 - Cap. III - 2ª Parte
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
    ESTUDO(s) RELACIONADO(s)
 01/07/2003 O Livro dos Médiuns  |  Manifestações Inteligentes ACESSE +   
 
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett