Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
O Céu e o Inferno  |  Segunda Parte - Exemplos Capitulo VI     |  03/12/2007
CRIMINOSOS ARREPENDIDOS: O ESPÍRITO DE CASTELNAUDARY - PARTE IV
(continuação)

“...O estado em que se vê esse Espírito é o dos seres vulgarmente designados por danados? - R. Absolutamente não, pois há condições ainda mais horrorosas. Os sofrimentos estão longe de ser os mesmos para todos, variando conforme seja o culpado mais ou menos acessível ao arrependimento. Para este, aquela casa é o seu inferno, outros trazem esse inferno em si mesmos, pelas paixões que os atormentam sem que possam saciá-las."(1)

A palavra sofrimento foi desenvolvida entre os gregos com o termo phérein, que, posteriormente, passou a ser designado sufferre, em latim, significando tolerar, suportar, permitir e, somente no século XVI, entre os franceses assumiu a significação da experiência de uma dor(2). Na visão pisicosociológica o sofrimento encontra-se na origem da condição humana, uma espécie de vertigem diante da nadificação da condição humana, quando o ser se confronta com a angústia de sua própria finitude, de ser desmunido, inacabado e incompleto.(3) Existindo desde os estágios primitivos do homem o temor do desencarne, especialmente enquanto não se tem um esclarecimento suficiente a respeito da vida futura torna-se fonte de profundo sofrimento.Assim á medida que o homem se torna um ser mais complexo, fatores psicológicos contribuem para exacerbar estes temores, muitas vezes de forma inconscientes ou ilógicas, baseadas em informações incompletas ou falsas convicções. Crenças, ensinadas geração após geração desde a infância, induzem o indivíduo ao medo do inferno e do sofrimento eterno que ali encontrará se não levar uma vida repleta de virtudes. Assim ao desencarnar estes temores tornam-se reais, vívidos e intensos, seguindo os apontamentos da consciência.Desta forma o “inferno” de cada um é pessoal e intransferível como nos diz o Espírito no texto acima citado “...Os sofrimentos estão longe de ser os mesmos para todos, variando conforme seja o culpado(1)” ou seja da forma como cada um encara o seu viver.

Allan Kardec comenta neste capitulo que “...temos visto avaros sofrerem à vista do ouro, que para eles não passava de verdadeira quimera; orgulhosos, atormentados pelo ciúme das honrarias prestadas a outros que não eles; homens que dominavam na Terra, humilhados pela potência invisível, constrangidos à obediência, em presença de subordinados, que não mais se lhe curvavam; ateus atônitos pela dúvida, em face da imensidade, no mais absoluto insulamento, sem um ser que os esclareça...(1)”

Este sofrimento seria eterno? 

Em O Livro dos Espíritos (4) Allan Kardec pergunta sobre o critério de duração dos sofrimentos a que os Espíritos respondem ser decorrência da melhora do indivíduo. Na resposta fica clara a finalidade pedagógica do sofrimento, pois quando ocorre o reequilibrio o sofrimento perde o sentido, extinguindo-se.
Analisando ainda a questão do sofrimento eterno “ nas ardências do Inferno” Allan Kardec diz “....Pelos dogmas das penas eternas, ao contrário, são no inferno confundidos os grandes e pequenos criminosos, os culpados de momento e os reincidentes contumazes, os endurecidos e os arrependidos. Além disso, nenhuma tábua de salvação se lhes oferece; a falta momentânea pode acarretar uma condenação eterna e, o que mais é, qualquer beneficio que porventura hajam feito de nada lhes valerá.” E para a reflexão desta questão conclui “... De que lado, pois, a verdadeira justiça, a verdadeira bondade?”(1)

E como seria essa Justiça?Em resposta a esta questão ,nos comentário finais deste capitulo Allan Kardec comenta:-

“...Devemos ainda notar que as mesmas faltas, ainda que cometidas em circunstâncias idênticas, são diversamente punidas, conforme o grau de adiantamento do Espírito delinqüente. Aos Espíritos mais atrasados, de natureza mais grosseira, como este de que vimos de nos ocupar, são infligidos castigos de alguma sorte mais materiais que morais, ao passo que o contrário se dá para com aqueles cuja inteligência e sensibilidade estejam mais desenvolvidas. Aos primeiros impõe-se o castigo apropriado à rudeza do seu discernimento, para compreenderem o erro e dele se libertarem. Assim é que a vergonha, por exemplo, causando pouca ou nenhuma impressão para estes, torna-se para aqueles intolerável. Neste divino código penal, a sabedoria, a bondade, a providência de Deus para com as suas criaturas revelam-se até nas mínimas particularidades, sendo tudo proporcionado e concatenado com admirável solicitude para facilitar ao culpado os meios de reabilitação. As mínimas aspirações são consideradas e recolhidas.”(1) 

Concluindo comenta Allan Kardec “...No mundo dos Espíritos há compensações para todas as virtudes, mas há também penalidades para todas as faltas, e, destas, as que escaparam às leis dos homens são infalivelmente atingidas pelas leis de Deus “. 

Seria o sofrimento a dor , um castigo uma punição de Deus?

Sobre este tema Joanna de Ângelis no livro Plenitude(5), mostra a dor não como uma punição, mas como um mecanismo da vida a serviço da própria vida. Explica que quanto à origem do sofrimento, mesmo com todo esforço que seja feito para abrandá-lo, se as causas não forem removidas, a ação será paliativa. Considera ainda que o sofrimento é uma doença da alma, que ainda se atém às sensações e que escolhe direções e ações que produzem desequilíbrios. Ao procurar fugir, escamotear, anestesiar o sofrimento, são utilizados mecanismos de alienação que resultam em preterir a realidade, somando-se a isso a sobrecarga de complicações em razão do tempo perdido(5) .Mostra ainda que o sofrimento é transitório, em decorrência do desequilíbrio da energia, mas que se “...direcionada para o bem e para o amor, deixa de desarticular-se, facultando aos seres a iluminação, a plenitude, portanto, a saúde integral, que a todos os seres do mundo está reservada pelo Pai Criador”(5)

Em Justiça Divina(6) Emmanuel esclarece que: "O sofrimento longe de ser uma desgraça tem função preciosa nos planos da alma” porque se apresenta como conseqüência de erros e violações da Lei, mas ,por outro lado, tem função retificadora dos desequilíbrios do Espírito. Desta forma é uma ferramenta útil e necessária ao homem que sofre; sem ele, este não poderia se reajustar, e despertar a consciência para a realidade superior. 

Laurelucia Orive Lunardi
Dezembro / 2007
 
Bibliografia:
1. Kardec ,Allan, O Céu e o Inferno, CapituloVI: Criminosos arrependidos 2. Barus-Michel, J. (2001). Souffrance, trajets, recours. Dimensions psycosociales de la souffrance humaine. Bulletin de Psychologie, 54 (2), 122. 3. Maisonneuve, J. (1966). Psycho-sociologie des affinités (pp.75-102). 4. Kardec ,Allan, “O Livros dos Espíritos”, questão 1004. 5. Franco DP/ Espírito Joanna de Ângelis. Plenitude. 6. Francisco C. Xavier / Emmanuel . Justiça Divina / Doenças da Alma.
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett