Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
O Céu e o Inferno  |  Capitulo III - O Céu   |  Item 10   |  01/01/2003
PRELÚDIO DA VOLTA
“10 . – (…) O estado corporal é transitório e passageiro. É no estado espiritual sobretudo que o Espírito colhe os frutos do progresso realizado pelo trabalho da encarnação; é também nesse estado que se prepara para novas lutas e toma as resoluções que há de pôr em prática na sua volta à Humanidade“.
(O Céu e O Inferno, Cap. III - O CÉU. Grifos nossos)

De repente vê-se a cena: Um corpo de olhos cerrados que nada vêem, o peito sem aquele movimento simples que por tantas vezes trocava o ar, como a  refrescar os sonhos cultivados pela imaginação ao sabor das brisas que sopravam nas  tardes após as chuvas da primavera.  Suas pernas, pálidas e rígidas incapazes de contar as distâncias percorridas quando o coração, ainda jovem,  andava inquieto em busca de paz.

Aqui e ali, alguns comentários… sempre atestando uma certa miopia endêmica dos que ficaram.  Por mais tentassem, as suas não poderiam ser nunca palavras de consolo, incapazes de identificar o significado daquele momento.

As mãos, unidas numa atitude de submissão nem saberiam dizer quantas vezes haviam assumido aquela postura a representar, às vezes, reverência, outras tantas, inconformação … Tantas foram as lutas, tantas foram as promessas que chamais se realizaram e que jamais se tornariam real – agora não eram mas importantes.

E assim,  num misto de prece e exaltação, vai o cortejo repetindo a canção… ritmo monótono, lamentoso, de dor e paixão. Onde as testemunhas dos atos heróicos? Daqueles que ninguém viu, por estarem resguardados da curiosidade alheia, em algum canto do coração. O rosto, nem belo nem feio, vincado por sulcos diversos, recordaria alguma terra distante, após anos de experiências contínuas no  cultivo incessante da esperança de dias melhores. Quantas vezes não teriam aqueles olhos visto o sol nascer… dia após dia, sem que se repetissem os acontecimentos.

E, de algum lugar uma voz tímida parece soltar no ar uma atmosfera de agradecimento, deixando cair lágrimas de suave gratidão… Enquanto isso, lá fora as crianças brincando, parecem não se importar com o que acontece… Talvez elas saibam na sua ignorância infantil a verdade. Por isso continuam o que tem que fazer: crescer.

No canto, um amigo mais chegado, no silêncio da sua dor-perda (porque há vários tipos de dores, dor-paixão, dor-languidez, dor-desespero,etc), reflexiona em torno dos acontecimentos – mas não consegue evitar que pensamentos estranhos, convidados incômodos, penetrem-lhe a inconformação:

“Pois, o que é a vida? Parece que já não sabemos. Saberemos ainda o que é viver? Talvez seja por isso, por nos havermos esquecido do que é a vida. Que perdemos a sabedoria do saber morrer. Onde está a vida que perdemos ao viver?”

“Reverência pela vida”, foi com essas palavras que Albert Schweitzer sintetizou a essência da sua filosofia, descoberta nas noites da África, junto aos segredos da selva, onde a vida pulsa como um coração vivo.

Mas, o que é a vida? Diz um poeta da vida que vida

“são os olhos que saúdam as madrugadas, que acariciam as noites, acolhem sorrisos; ouvidos que recebem o barulho dos ventos, ouvem gemidos de dor, escutam palavras de amor; bocas que experimentam o deleite dos frutos e dos beijos e recitam poemas; (…) Pernas que andam pelos bosques e levam mensagens a lugares distantes; braços que plantam jardins, e que se estendem para os abraços e para as lutas. A vida é um poema enorme, uma explosão de gestos e de sentidos espalhados pelo espaço. Mas, como tudo o que é humano, a vida também é cansaço que anseia por sono.  (…)Saber viver e também saber morrer. Cada poema se inclina para a última palavra; cada canção se prolonga na direção do seu silêncio. Última palavra que continuam a reverberar todas aquelas que a antecederam: silêncio onde ressoam os sons que o prepararam.”

Pode-se, então, medir a qualidade do viver de uma pessoa, em relação à sua capacidade de produzir vida. Perguntaríamos ao leitor, a título de provocação: Como vivencia a sua vida? O que lhe parece urgente nos múltiplos pensamentos que lhe ocorrem ao longo dos dias? Qual a qualidade do seu viver?

Há pessoas que diante de dificuldades assumem posturas estereotipadas, ficando presas pelas concepções empobrecidas em que se enredaram. São as que se deixam consumir pelos preconceitos de toda espécie. Agindo como se estimuladas por um “programa de computador”, diante de certos estímulos adotam tal e tal atitude. Nunca se questionam da validade da sua estratégia. Mas, o que serviu ontem pode não mais servir hoje. Podemos percebê-las na vida como aquelas que periodicamente são visitadas por problemas de ordem equivalente, como se estivessem sendo vítimas de uma experiência que constantemente se repete em suas vidas. Sofrem, e muito, de um tipo de mal que longe está da concepção do sofrimento do Evangelho quando fala dos “aflitos”. Tais indivíduos não conseguem perceber, ainda, que a vida que levam tem uma efetiva participação das suas próprias  escolhas. Ainda não convivem bem com a idéia de que são seres responsáveis – i.e., capazes de responder- à vida e suas solicitações. Vivem, então presos à uma concepção do tempo que foi – quando eram felizes – ou do tempo que virá – quando o sofrimento que experimentam tiver acabado. Isso quando, por um processo particular alternativo, não decidem congelar-se, cristalizar-se, insensibilizar-se. Tudo isso como forma de lidar coma situação que vivenciam – atitude detectada pela postura inflexível que assumem perante a vida. Em suma, perdem momentaneamente a capacidade de usar o momento que passa. Mas o tempo é a expressão da bondade divina e, ao seu ritmo, perceberão a importância das próprias opções que hoje fazem. O tempo acabará por desvelar aos seus olhos a “face do amor”, e, como diz o poeta português, Fernando Pessoa:

“A morte é a curva da estrada,/ Morrer é como não ser visto… / A terra é feita de céu. / A mentira não tem ninho. /Ninguém jamais se perdeu. / Tudo é verdade e caminho.”

Mas há aquelas outras que, descobriram o segredo: tudo tem um fim. Assim, não vivem inquietas esperando pelo amanhã. Nem se agarram ao ontem, como quem busca prender a fumaça que  fica das experiências  “queimadas” com os dedos das mãos. Não são saudosistas. São jovens sem a inquietude da juventude. Eternamente jovens. E, paradoxalmente, são velhos. Velhos, sem a acomodação da velhice. Apenas foram aprendendo a substituir o vigor do corpo físico pelo vigor do coração. O encanto dos olhos pelo olhar encantado da experiência. Os seus são olhos de “pôr-do-sol”, pois iluminam aqueles que lhes observam o gesto. São mensageiros da esperança, porque compreenderam os Espíritos Superiores quando disseram a Kardec: “Só as grandes dores, os fatos importantes e capazes de influir no moral, Deus os prevê, porque são úteis à tua depuração e à tua instrução.” Descobriram que podem confiar no Pai… E, com isso, já não acreditam que “tudo o que sucede está escrito”. Mas que na maioria das vezes podem ser a conseqüência de um ato praticado pela livre vontade, de tal sorte que estão sempre atentos ao que estão escolhendo viver. Mais ainda, descobriram que, pela sua vontade e por seus atos, podem mesmo alterar a ordem dos fatos quando essa alteração tiver cabimento na seqüência da vida que escolheram. Daí, cultivarem com mais cuidado e carinho um contato consigo mesmos através de reflexões periódicas em torno da sua condição definitiva: descobrem-se Espíritos. Sabem que para atravessar um rio não basta se atire da margem.. é preciso saber nadar. Assim, estão atentas às suas próprias faculdades, partindo com elas no caminho de qualquer realização. Assim, não se enganam facilmente confundindo vocação (aquela voz interna, o trabalho intransferível que vieram realizar) com o desejo de satisfazer a certas paixões. São pessoas que descobriram que humildade significa não querer aparentar ser nem maior e nem menor do que se é. Especializaram-se na arte de ser o que se é. Aprenderam a respeitar a Lei de Causa e Efeito,segundo a qual, cada um é terapeuta de si mesmo, sem exceções, não confundindo mais auxiliar com resolver. Fazem-nos recordar uma história…

“Era uma vez um turista que, estando em Israel, foi visitar um sábio rabino. Lá chegando, espantou-se com aquela casa vazia; nenhuma mobília, nenhum enfeite, nenhum quadro na parede, nem mesmo cadeiras e mesa, nem mesmo cama e armários. Sem poder conter a sua perplexidade, indagou: “Onde estão as suas coisas, meu Senhor?”. “E onde estão as suas ?”, contra perguntou o velho rabino. “Ora, estão na minha casa, no país de onde veio; eu estou aqui só de passagem”, respondeu o turista. “Eu também!” , sentenciou o mestre”.

A consciência de que estamos aqui de passagem torna a existência uma bela e valiosa aventura. Chegamos de mãos vazias, iremos de mãos vazias. O que levamos?  Claro! O passaporte de nossas ações. Por isso, leitor amigo, dissemos que o segundo grupo são o das pessoas que descobriram que tudo tem um fim… tudo aquilo que decorre da nossa condição corporal transitória e  passageira… Daí ser importante nascer todos os dias , um pouquinho mais,  em Espírito… e para o Espírito, afinal, sempre é tempo de aprender a morrer, para renascer e voltar a viver cada vez  melhor, especializando-se na arte de ser o que se é...

Vanderlei Luiz Daneluz Miranda 
Janeiro / 2003

 
Bibliografia:
KARDEC, Allan, O Céu e o Inferno, 1ª Parte Cap. 3 - O Céu. FEB. 32ª ed. Rio .1994 GIBRAN, Gibran Khalil O Retorno e o Terno, A Amizade. ACIGI. KARDEC,Allan, O Livro dos Espíritos Da Lei de Liberdade, 6. Fatlidade. FEB. 10ª ed. São Paulo.1997.
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett