Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
O Evangelho Segundo o Espiritismo  |  Bem-aventurados os Misericordiosos   |  Capitulo X   |  01/09/2008
AQUELE QUE ESTIVER SEM PECADO ATIRE A PRIMEIRA PEDRA.
“Não julgueis, pois, para não serdes julgados: porque, com o juízo que julgardes os outros, serei julgados; e com a medida com que medirdes vos medirão também a vós. (Mateus, VII: 1 e 2)             

“Então, lhe trouxeram, os escribas e os fariseus, uma mulher que fora apanhada em adultério, e a puseram no meio, e lhe disseram: Mestre, esta mulher foi agora mesmo apanhada em adultério, Moisés, na lei, mandou apedrejar a estas tais. Qual é a vossa opinião sobre isto? Diziam, pois, isto, os judeus, tentando-o, para o poderem acusar.
             
Jesus, porém, abaixando-se, pôs-se a escrever com o dedo na terra. E como eles perseveram em fazer-lhe perguntas, ergueu-se Jesus e disse-lhe: Aquele dentre vós que estiver sem pecado, atire-lhe a primeira pedra.
             
E tornando a abaixar-se, escrevia na terra.
Mas eles, ouvindo-o, foram saindo um a um, sendo os mais velhos os primeiros.
             
E ficou só Jesus com a mulher, que estava no meio, em pé.
             
Então, erguendo-se, Jesus lhe disse: Mulher, onde estão os que te acusam? Ninguém te condenou?
             
Respondeu ela: Ninguém, Senhor. Então Jesus lhe disse: Eu tampouco te condenarei; vai e não peques mais.” (João VIII: 3 a 11)

Há mais de dois mil anos, esse fato aconteceu, justamente, no meio do povo que recebera a primeira grande revelação divina, os dez mandamentos recebidos por Moisés, uns mil e trezentos anos antes, onde um deles é: “Não matarás”.

A lei do apedrejamento da mulher adúltera, uma das mais injustas na historia da humanidade, pois, para haver o adultério são necessários um homem e uma mulher, não faz parte da lei divina, uma vez que essa é imutável. Deus não comete erros, não precisando de retificações.

Os dez mandamentos continuam sendo a base de toda justiça humana e divina.

As demais leis, promulgadas por Moisés, foram leis adequadas ao grau de evolução de um povo: rigorosa, inflexível, cruel em determinados pontos, para manter, pelo temor, a unidade dos seus membros, que se destacavam pela manutenção da fé em Deus único, embora, pelo tempo vivido no Egito, e, pelas dificuldades da jornada, estivessem um tanto descuidados das suas tradições, influenciados pelos usos e costumes egípcios.

Moisés exercia seu poder de chefe de um povo, da maneira que julgava ser necessário, na longa caminhada – quarenta anos - em direção à terra prometida. Mas suas leis, excetuando os dez mandamentos, recebidos através de sua mediunidade, foram leis para aquele povo, naquela época.

A cena descrita por João transporta-nos ao tempo de Jesus, em um lugar público, onde um grupo de homens se aproxima dele, colocando uma mulher assustada no centro de uma roda que se formara, para exigir-lhe uma posição diante da lei.

Ele não tinha nenhuma autoridade civil ou religiosa para libertá-la da morte.

Vemos Jesus ouvindo as perguntas, percebendo a intenção do grupo presente de conseguir um motivo, para acusá-lo de desrespeitar a lei. Vê a mulher atemorizada, sabendo o que a esperava, porque conhecia a lei injusta e cruel.

Não se altera, não se horroriza, não acusa ninguém, não tenta convencê-los a mudar de atitude. Chega a agachar-se para escrever com o dedo na terra.

Como os homens insistiram, porque queriam pegá-lo em falta em relação ao cumprimento da lei mosaica, ou em contradição aos seus ensinos, visto que o apedrejamento da mulher adúltera seria uma incoerência, uma contestação aos seus ensinos, simplesmente, diz que aquele, dentre eles, que estivesse sem pecado, isto é sem erros, sem infringência das leis, que atirasse na mulher, a primeira pedra, continuando a escrever na terra.

O espanto deve ter sido muito grande: não havia nas palavras de Jesus nada que desrespeitasse Moisés, nem incoerência com seus ensinos; apenas demonstrou-lhes que nenhum deles estava isento de erros, portanto, não tinham autoridade moral para julgar, condenar e aplicar a pena.

E a frase de Jesus continua sendo lida, estudada, divulgada, repetida e nós, que nos consideramos cristãos, encarnados e desencarnados, ainda não nos desvencilhamos do hábito de apontar, criticar, censurar, condenar, desejar punir os que cometem erros.

Jesus deixa bem clara a necessidade que todos têm da indulgência, visto sermos Espíritos em desenvolvimento, sujeitos, pois, a enganos e omissões.

Ensina que não devemos julgar os outros mais severamente do que nos julgamos a nós mesmos, nem condenar-nos outros o que nos desculpamos em nós. Antes de reprovar alguém, consideremos se a mesma reprovação não nos pode ser aplicada”.

Quando aceitamos algum erro nosso, o que nem sempre é feito, encontramos sempre motivos para explicar e justificar nossas atitudes e ações, mas, somos exigentes e severos com os erros dos outros.

Pior ainda, quando, para defendermo-nos de alguma censura ou crítica de alguém, acusamos esse alguém de outras falhas, que nada têm com o fato e a situação atual.

Defender-se acusando outros, é sinal do reconhecimento de sua falta, querendo, por falta de argumentos sólidos, denegrir o outro, desacreditando-o.

Mas então não se pode criticar o que está errado?

Allan Kardec esclarece que pode haver dois motivos na censura da conduta alheia: reprimir o mal ou desacreditar a pessoa cujos atos se critica.

Esse último não tem a menor justificativa, decorrendo da maledicência e da maldade, demonstrando imperfeição moral, necessitando, quem assim age, de reeducação de seus sentimentos e emoções, partindo do reconhecimento de suas falhas.

Quanto ao primeiro motivo, é necessário que ele exista e seja cumprido a fim de que o mal seja banido dos corações humanos e, por conseqüência, eliminado da sociedade.

Assim, esse ensino de Jesus não pode ser levado em conta, no seu sentido absoluto, uma vez que o mal para ser debelado, tem de ser reconhecido. Apontá-lo, pois, onde aparece, com o propósito de combatê-lo, pode ser uma atitude louvável, uma vez que daí pode surgir um bem.

Aliás, não deve o homem ajudar o progresso dos seus semelhantes?

 Jesus não podia, pois, proibir de se reprovar o mal. Demonstrou, com clareza e objetividade, que “a autoridade da censura está na razão da autoridade moral daquele que a pronuncia. Tornar-se culpável daquilo que se condena-nos outros é abdicar dessa autoridade e, mais ainda, é arrogar-se o direito de repressão. A consciência íntima, de resto, recusa qualquer respeito e toda submissão voluntária àquele que, investido de algum poder, viola as leis e os princípios que está encarregado de aplicar. A única autoridade legítima, aos olhos de Deus, é a que se apóia no bom exemplo. É o que resulta, evidentemente, das palavras de Jesus.”

Leda de Almeida Rezende Ebner
Setembro / 2008
 
Bibliografia:
KARDEC, Allan -“ O Evangelho Segundo o Espiritismo” 

 O CENTRO ESPÍRITA BATUIRA esclarece que permanece divulgando os estudos elaborados pela Sra Leda de Almeida Rezende Ebner após o seu desencarne, com a devida AUTORIZAÇÃO da família e por ter recebido a DOAÇÃO DE DIREITOS AUTORIAIS, conforme registros em livros de Atas das reuniões de diretoria deste centro.
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett