Untitled Document
 
Olá! CONECTE-SE AO CEBATUIRA ou CADASTRE-SE!
Untitled Document
Sua cesta está vazia
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério

Centro Espírita Batuíra Favoritos Centro Espírita Batuíra FACEBBOK
 Home   Centro Espírita   Loja Virtual   BELE   Estudos   Efemérides   Mensagens   Onde Estamos   Contato 
 
Estudos Imprimir Indique voltar
O Livro dos Espíritos  |  Capítulo IV     |  01/11/2013
A INTELIGÊNCIA E INSTINTO – QUESTÕES 71 A 75 - PARTE VI
Capítulo IV – III – Inteligência e Instinto – Questões 71 a 75ª

Capítulo I Deus                                          Q. 1 a 16
Capítulo II Elementos Gerais do Universo   Q. 17 a 36
Capítulo III Criação                                          Q. 37 a 59
Capítulo IV Princípio Vital                                   Q. 60 a 75a
 
I Seres Orgânicos e Inorgânicos                   Q. 60 a 67a
II A Vida e a Morte                                          Q. 68 s 70
III Inteligencia e Instinto                                   Q. 71 a 75a

As questões 74, 75 e 75a ensinam que não é possível estabelecer um limite entre instinto e inteligência, precisamente analisando em um ato ou decisão, onde ou em que momento acaba um e começa o outro; eles se confundem, se mesclam, interagem nesse momento evolutivo, requerendo que a inteligência direcione o uso.
             
Podemos, porém, distinguir atitudes, reações que pertencem a um ou a outro, Como simples exemplo, ao encostar a mão em chapa quente, sem que se elaborem raciocínios mentais, “instintivamente” retiro a mão; corro ou procuro abrigo frente a uma fera, a um perigo – reações “automáticas” buscando proteção. Construo mecanismos para abrigar-me ou me defender de animais, insetos, como ação da inteligência que deliberadamente visa à proteção e segurança.
             
Com a inteligência o homem pensa, reflete, compreende, decide, recorda, adquire experiência, ama, odeia. Assim como julga e estabelece inúmeros outros processos análogos em situações elevadas, condicionadas, modificáveis, adapta-se a um meio inóspito ou diferente transformando-o.
             
O instinto opera obedecendo a uma impulsão íntima, sem apreensão, sem conhecimento consciente do motivo ou do resultado de seus atos. Tudo é cego, necessário, invariável, inato, particular.
             
Afirmam muitos que, por exemplo, um homem altamente intelectualizado seria desprovido ou teria pela excelência de seu campo mental suplantado o instinto. Tal afirmação não procede. 
             
O instinto é de extrema importância na individualidade humana e seja qual for o teor intelectual do ser, ele continua ali, com todo seu potencial primitivo, muitas vezes, sobrepondo-se aos controles precários da racionalidade e manifesta-se em toda sua pujança.
             
Em qualquer momento, mesmo no âmbito de uma evoluida sociedade civilizada, a “sabedoria” infalível dos instintos primitivos pode ser convocada a uma ação pronta e enérgica, como fugir de um cataclismo, resistir a condições adversas que ameacem a integridade física, utilizar-se de opções incomuns ou buscar meios para preservar, por exemplo, espécies para que não se extingam. No momento de catástrofes, o ser humano praticamente fica entregue aos seus instintos, visando a continuidade, a preservação, a proteção da vida.
             
Estes raciocínios destacam que o instinto não evolui – constitui a última instância da vida quando todas as conquistas anteriores vierem a falhar. É o seguro de vida do homem. Se ele se extinguisse, numa emergência toda estrutura do ser careceria da impulsão primeira aos novos passos que seguiriam. 
             
Habitualmente o homem não é atento a essas elaborações naturais; não se lembra de que traz em si um guia muito mais seguro que a própria razão, uma vez que, recorde-se, o instinto nunca se engana.
             
Surge ai uma contestação ou pergunta: por que a razão também não é sempre um guia infalível?
             
Realmente poderia sê-lo se não fosse falseada pela má educação, pelo orgulho, avidez, egoísmo, por interesses menores. A razão permite escolher, porém nem sempre ela o faz englobando percepções interiores ou interesses nobres. Usa sim, a inteligência, a vontade, a liberdade, desenvolvendo-se a partir de um sentir norteador.
 
Leda Marques Bighetti
Novembro / 2013
 
ENVIE SEU COMENTÁRIO
ADICIONAR AOS FAVORITOS
 
Documento sem título
 
  Menu
  Estudos
 Estudos Obras Básicas
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Espíritos
ESTUDOS BATUIRA  O Livro dos Médiuns
ESTUDOS BATUIRA  O Evangelho Segundo o Espiritismo
ESTUDOS BATUIRA  O Céu e o Inferno
ESTUDOS BATUIRA  A Gênese
 Estudos sobre evangelização e mocidade
ESTUDOS BATUIRA  Evangelização Infantil
ESTUDOS BATUIRA  Mocidade Espírita Batuira
 Estudos temáticos
ESTUDOS BATUIRA  Estudo Evangélico
ESTUDOS BATUIRA  Ciência Rumo ao Espiritísmo
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Home
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Centro Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Loja Virtual
BATUIRA RIBEIRAO PRETO BELE
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Bazar
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mensagens
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Poesias
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Reflexões Espíritas
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Batuira em Coral
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Contato
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Onde estamos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Calendário C.E.B.
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Programação Especial
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Mapa do site
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Canal Batuira
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Galeria de Fotos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meu Cadastro
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus favoritos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Meus Pedidos
BATUIRA RIBEIRAO PRETO Minhas Participações
   
   
   
 
 
Receba nosso Newsletter
Receba nossas mensagens, calendário e estudos por e-mail
enviar
 
Rua Rodriges Alves, 588
Ribeirão Preto - S.P.
Cep: 14050-090 - Vila Tibério
  Centro Espirita Batuira Favoritos   Centro Espirita Batuira FACEBBOK
 Copyright 2014 | Centro Espírita Batuira- Todos os direitos reservados.          by vianett